dezembro 18, 2010

Canção do exílio - minha ^^

Não vou colocar toda a canção, pois ela não é completamente boa, não está assim... muito "bonita", mas a intenção foi bastante boa, para quem leu um post antigo... Eu disse que tinha um trabalho de escola para fazer, além de pesquisar as canções do exílio que nasceram a partir da pela obra de Gonçalves Dias... Eu tinha que criar a minha canção. Então.. Vou postar a primeira estrofe, esse poema já está velhinho, gente, deveria ter postado antes, mas, não sei, não o postei, acreditei que era feinho demais para ser colocado no blog. Mas, enfim... Irei ao que disse que ia fazer, aqui está minha estrofe - meu trabalhinho de escola. 

 Minha terra tem palmeiras
Onde gorjeia os gaviões
Essas aves usam meias
 Onde escondem os mensalões


Para quem não viu ou não se lembra da postagem que falei, aqui está o link: http://bezerraguimaraes.blogspot.com/2010/02/cancao-do-exilio-as-avessas.html

dezembro 07, 2010

Clarice e meus pensamentos 1

.
.
.


Estava a ouvir um trecho no YouTube de "Um Sopro de Vida", é de Clarice... Ouvi esta frase e fiquei toda pensativa:


"Deus não mata ninguém, é a pessoa que se morre."




.
.
.

outubro 27, 2010

O poema enterrado valeu uma febre de Oiticica






Achei muito engraçada a história do poema enterrado. E fico impressionada com o pequeno número de visualizações no YouTube, deveria ser mais... É um vídeo muito legal, assim como foi - é - o neoconcretismo. 


setembro 25, 2010

A maçã, toma de mim.

“As Três Graças”, do pintor italiano Rafael



Toma, cá está

Dou-te o que queres

A febre da maçã

Pegue logo

não renegues

Cuidado, olha o tempo!

Já chega o sol

Vamos, ande logo

se apressa

Olha o sol!

Ora, tu não queres?

Mas o que há?

Outra oportunidade?

Ah... não vou dar!

Vaidade?

É pura vaidade

Não vem de mim

Mas é dessa máquina do mundo

que me faz querer amor

[vagabundo

O que me dizes?

Não ouço...

Mas, não! Não fales alto!

Outros querem a febre

Essa febre é que rege

[a vida

O povo que pede

Tanta maçã assim.

Fazer o quê?...

Se isso move o mundo

[todo

E também o mundo

[que está em mim










[Ah! Da próxima vez não peças, toma de mim!]

julho 09, 2010

Lope

Sim... eu esqueci de comunicar que li Dom Casmurro, mas este post não será para falar sobre o livro, porém para colocar aqui um poema muy gracioso de Lope de Vega.


Abater-se, atrever-se, estar furioso,
áspero, brando, liberal, esquivo,
animado, exaurido, morto, vivo,
leal, traidor, covarde, corajoso,

não ver, fora do bem, centro e repouso,
mostrar-se alegre, triste, humilde, altivo,
desgostoso, valente, fugitivo,
satisfeito, ofendido, temeroso;

furtar o rosto ao claro desengano,
beber veneno por licor suave,
esquecer o proveito, amar o dano;

acreditar que o céu no inferno cabe,
ceder a vida e a alma a um desengano;
isto é amor, quem o provou bem sabe.









 Em novembro, filme Lope estará em cartaz.



video

Trailer do filme "Lope" (Brasil/Espanha, 2010), com Alberto Ammann, Pilar López de Ayala, Selton Mello, Sonia Braga. O filme mostra a juventude do espanhol Lope de Vega, um dos maiores dramaturgos e poetas de todos os tempos, autor de obras como "Amarílis" e "La Arcádia". O ator argentino Alberto Ammann faz o papel principal. No elenco estão ainda as atrizes espanholas Pilar López de Ayala e Leonor Watling . O brasileiro Ricardo della Rosa assina a direção de fotografia. Direção de Andrucha Waddington. Estreia prevista para o dia 5 de novembro. © Warner




Poema achado em ARS POÉTICAS
Trailer em Uol > Cinema
Imagem em Filme B

junho 30, 2010

Para Mai


Para Mai


Sinto muito por não estar...
Estar a toda hora
Sentir o roçar 
Dos ventos 
Dos amigos 
Seguidos, lidos e relidos

Queria poder ser eu 
Presente a apreciar
Publicar/editar
Alguns versinhos meus

Redimo-me 
Num poema
Com a promessa 
De estar
não presente a toda hora...
+ estar, sim, + estar!


____________________________________



imagem: Claudia Porto
Ciranda dos ventos


maio 15, 2010

Mocinhas...

William Bouguereau



Oh! inexoráveis mocinhas
Um tanto certinhas 
Um tanto banais 

Ninguém sabe das tramas
Das garotinhas 
Um tanto santinhas 
Um tanto bobinhas
Mas espertinhas demais 

E das ideias se sabe apenas
Das tramas pequenas (ou colossais?)
Dos sonhos do mar
Dos sonhos das noites

Das mil e uma noites
De Penélope ou Capitu
Da ideal à moça
dos olhares infindos...


Ah... Ninguém sabe da tramas!...
Se das moças, fazem siganas...
Sacanas, mundanas...
São coisas demais

Não sou capaz de desfazê-las
Oh antíteses antigas
Das moças de símbolos 
De danças e novelos 
(Ah! São menininhas demais!)



William Waterhouse

maio 02, 2010

A Orquestra Sinfônica da UFRN retorna às atividades




Depois de sete anos parada, a Orquestra Sinfônica da UFRN retorna às atividades em um projeto novo e ousado. A sinfônica, sob o comando do regente André Muniz, faz a estréia da temporada 2010 no dia 04 de maio, às 20h00, no Auditório da Escola de Música da UFRN. O evento tem entrada franca.

A obra "Sinfonia No. 8" de Beethoven é a peça escolhida para a abertura da temporada. A sinfônica é composta por 60 instrumentistas, sendo alunos e professores dos cursos técnicos e bacharelado da Escola de Música da UFRN. "Esta é mais uma opção de formação profissional em música no estado", destaca o maestro sobre a importância da reestréia da Sinfônica da UFRN.
Além da Sinfônica da UFRN, a noite vai ter como convidada a Orquestra de Câmara da Escola de Música da UFRN, que vai apresentar o "Concerto de Mendelssohn para violino e cordas". O solista desta peça é o violinista Alessandro Borgomanero, nascido em Roma e mestre em música pela Escola Superior de Música "MOZARTEUM" de Salzburg.




abril 21, 2010

Renato Russo - por Henrique Pimenta

Henrique Pimenta fez um poema que adorei ler, admiro muito Renato Russo e ele ficou simplesmente lindo entre os versos decassílabos. 





Renato Russo 





O Russo que idolatro sem retardo,


Renato que retrata com o que escreve
A década de 80, no que é breve,
E se eterniza no seu brado bardo.

"Geração Coca-Cola", que petardo!
"Será", "Ainda é cedo"... não há greve
De gênio, de poeta que se atreve,
Diverte-se com a luz do que era pardo.

Um ícone sincrônico de efebos
Com dúvidas e travos e virtudes
E certos dos prazeres dos placebos.

Extinto o seu a mil vai, amiúde,
Moldando-se ao Amor, como concebo,
Do tempo em que se encontra a juventude.

Henrique Pimenta



A primeira vez que ouvi Legião Urbana foi na quarta série e ouvi Pais e Filhos, fiquei apaixonada pela composição e apesar de minha mentalidade infantil me sensibilizei com a música, meu segundo contato foi aos treze ou catorze, daí em diante convenci-me que ele era um gênio, hoje, aos quinze noto-o como um ultra-romântico e que vai ficar guardado no meu coração para sempre.  



abril 18, 2010

Um umbigo literário

Li uma vez que Fernando Pessoa tinha certo asco à homossexualidade, entretanto se dizia mulher “na cabeça”, mas isso nunca passou para o seu corpo.
(Eu nunca li C a p i t u – esqueci: Dom Casmurro –, mas assisti a minissérie da Globo – que aliás, é divina. Tirei algumas conclusões sobre o romance, um dia lê-lo-ei.)

Às vezes penso na nossa literatura como um grande corpo feminino de cérebro masculino* e umbigo de Capitu, sim umbigo... Creio que você já deve ter ouvido falar de uma lei do centro que tem como exemplo a pintura Monalisa, por isso o quadro é tão genial. A ciência também fala disso – dessa lei Áurea; minha professora de cello diz para eu tocar com o arco na parte central das cordas, pois o som sai melhor. É coisa de centro. É melhor ficar no centro da sala. É muito bom ser o centro das atenções. Coisa de centro. Entretanto, não quero tornar “o centro” uma coisa matemática, pelo contrário, só quero dizer que Capitu é o centro. Li uma crônica-conto de Lygia Fagundes Telles – vou pegar o livro para reler – de título Rua Sabará, 400, quem estava nele? Capitu! Mas é perfeitamente compreensível, porque, juntamente com Paulo Emílio, ela estava escrevendo um roteiro para o romance. Agora li Capitu sou eu de Dalton Trevisan, já que me foi pedido, gostei muito; adorei a revolta: “A sonsa, a oblíqua, a perdida Capitu. Essa mulherinha à-toa.” O mais interessante nos dois textos é que as pessoas mud(av)am de opinião, nenhuma convicção, esta é uma obra eterna de uma eterna efemeridade. Nunca há um consenso, e como haver? Parar de discutir sobre o livro – ou talvez, a bruxaria? Eu não li, e já estou marcada. Conhece alguém sem umbigo? Conhece um escritor sem Capitu? *



* Muitas mulheres escreviam antigamente, mas elas tinham pseodônimos masculinos, um exemplo de mulher potiguar que não fez isso foi Auta de Souza.
* Pode existir!


março 14, 2010

Todo dia é dia da poesia.

Sei que todo dia é dia de poesia, mas é bom saber o porquê de hoje ser o dia de calendário da P O E S I A
Eu já sabia que 14 de março era dia, mas não sabia o motivo. Então, aqui está:







(...)

A poesia ganhou um dia específico, sendo este criado em homenagem ao poeta brasileiro Antônio Frederico de Castro Alves (1847-1871), no dia de seu nascimento, 14 de março.
Castro Alves ficou conhecido como o “poeta dos escravos”, pois lutou grandemente pela abolição da escravidão. Além disso, era um grande defensor do sistema republicano de governo, onde o povo elege seu presidente através do voto direto e secreto.
Sua indignação quanto ao preconceito racial ficou registrada na poesia “Navio Negreiro”, chegando a fazer um protesto contra a situação em que viviam os negros. Mas seu primeiro poema que retratava a escravidão foi “A Canção do Africano”, publicado em A Primavera.
Cursou direito na faculdade do Recife e teve grande participação na vida política da Faculdade, nas sociedades estudantis, onde desde cedo recebera calorosas saudações.
Castro Alves era um jovem bonito, esbelto, de pele clara, com uma voz marcante e forte. Sua beleza o fez conquistar a admiração dos homens, mas principalmente as paixões das mulheres, que puderam ser registrados em seus versos, considerados mais tarde como os poemas líricos mais lindos do Brasil.
Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia
Equipe Brasil Escola
 Fonte: Brasil Escola

fevereiro 27, 2010

Clarice, de Benjamin Moser

(...)

Ela mentia sobre a idade que tinha quando veio para o Brasil. Numa passagem já citada aqui, ela usa o itálico para enfatizar que tinha apenas dois meses de idade quando sua família desembarcou. Tinha mais de um ano, porém, como ela bem sabia. É uma pequena diferença - era muito nova, de todo modo, para se lembrar que qualquer outra pátria -, mas é estranha a sua insistência em rebaixar a idade até o mínimo verossímil. Por que se dar ao trabalho?

Não havia nada que Clarice Lispector desejasse mais do que reescrever a história do seu nascimento. Em anotações pessoais redigidas quando estava na casa dos trinta e morando fora do país, ela escreveu: "Eu estou voltando para o lugar de onde vim. O ideal seria ir até a cidadezinha na Rússia e nascer sob outras circunstâncias". O pensamento lhe ocorreu quando estava quase caindo no sono. Sonhara que tinha sido banida da Rússia num julgamento público. Um homem diz que "só mulheres femininas eram permitidas na Rússia - e eu não era feminina". Dois gestos a traíram inadvertidamente, explica o juiz: "1o.: eu acendera meu próprio cigarro, mas uma mulher fica esperando com o cigarro até que o homem acenda. 2o.: eu mesma tinha aproximado a cadeira da mesa, quando deveria esperar que ele fizesse isso para mim".
Então foi proibida de retornar. Em seu segundo romance, talvez pensando no caráter definitivo de sua partida, ela escreveu: "O lugar onde ela nascera - surpreendia-se vagamente de que ele ainda existisse como se também ele pertencesse ao que se perde".

Trecho de "Clarice," de Benjamin Moser (Editora Cosac Naify, tradução de José Geraldo Couto, 648 páginas.

Fonte: OGLOBO





________________


Fabio Silvestre Cardoso • São Paulo - SP



Uma odisséia, similar às cativantes e não menos pungentes viagens que transformam a vida de seus tripulantes. É assim que o leitor de Clarice,, biografia assinada por Benjamin Moser acerca daquela que é, para todos os efeitos, a mais simbólica autora brasileira do século 20, Clarice Lispector. Editada pela Cosac Naify, Clarice, revisita a vida da escritora ucraniana radicada no Brasil e, de quebra, estabelece um novo patamar no que se refere aos perfis, ensaios e narrativas sobre as vidas dos escritores. Saem de cena os detalhes mais pontuais, espasmódicos, brejeiros, dando lugar a outro tipo de interpretação, sem medo de parecer original demais ou de rever as outras leituras acerca da obra do biografado. Isso não quer dizer que Benjamin Moser quer ensinar aos escritores brasileiros como escrever biografias. Cada biógrafo conta com suas próprias técnicas e métodos para apuração. Todavia, até por esse motivo, é necessário reconhecer o diferente quando este aparece. E é justamente o caso de Moser com sua biografia de Clarice Lispector.
A biografia de Clarice Lispector é diferente porque o autor, já nos primeiros capítulos, propõe uma tese como eixo temático de sua história, a saber: a questão da identidade em Clarice Lispector, elemento até então pouco abordado por aqueles que desejavam investigar "que mistério tem Clarice?", como canta a música. Nesse ponto, é bom que se diga, podem existir divergências acerca da validade dessa interpretação. Correta ou estapafúrdia, é necessário conceder ao autor o benefício da dúvida, uma vez que a obra não faz dessa tese algo apenas simbólico. É bastante sério. Não por acaso, as primeiras páginas da biografia remetem exatamente às origens da autora de A maçã no escuro. Para Benjamin Moser, antes de ser escritora, Clarice é uma autora que todo o tempo debateu de forma recorrente a noção de pertencimento. É certo que algum leitor pode imaginar que isso se deve à leitura contemporânea de Clarice, haja vista o fato de boa parte das pesquisas acadêmicas, hoje em dia, lidarem com essa tendência interpretativa. No entanto, é fundamental reconhecer que, no livro, os argumentos utilizados pelo autor são convincentes.
Assim, à primeira vista, o texto de Benjamin Moser pode pecar por pouca objetividade, acusariam alguns aiatolás da narrativa jornalística. É preciso ter parcimônia, ou, mais indicado, não cometer alguns equívocos baseados na leitura de textos nacionais do mesmo gênero. Pois, de fato, biografias escritas por jornalistas brasileiros sobre artistas (?!) locais são combustíveis dessa idéia bruta sobre o modo de escrever biografias. Em outras palavras, deve-se começar o texto com um perfil à maneira das revistas de reportagem, sublinhando os desvios e os pecadilhos; enfatizando as aspas mais bombásticas; e apelando para a revelação mais sórdida sobre a personalidade. Sim, existe a noção de que as biografias brasileiras são excepcionais apenas quando há uma grande descoberta, que, muitas vezes, é apenas um gancho, criado por editores, assessores de imprensa e lobistas do mercado editorial. Em Clarice,, essa tendência inexiste. Talvez por esse motivo alguns tenham escrito que se trata apenas de um esboço biográfico. Em momento algum, cabe ressaltar, Benjamin Moser pretende esgotar o assunto. Malgrado o fato de a própria editora que publicou o livro tenha feito das suas - "uma biografia como você nunca viu" -, as ambições do autor não são tão absolutas, ainda que ambiciosas.



Pertencimento


A ambição reside no fato de que o autor busca associar toda a trajetória de Clarice Lispector à questão de pertencimento, como se sua produção literária refletisse de forma cifrada sua existência plena. Assim, o fato de ter nascido na Ucrânia, ter morado no Recife e depois ter vivido no Rio de Janeiro são aspectos tão essenciais quanto a leitura de clássicos como Crime e castigo, de Dostoievski, O lobo da estepe, de Hermann Hesse, ou a obra completa de Machado de Assis. O autor fundamenta essa tese com base nos depoimentos que compõem a narrativa. Assim, embora não seja refém desse recurso declaratório, é correto afirmar que o escritor faz uso disso quando necessita ilustrar a importância de cada detalhe. Nesse aspecto, cumpre atentar ao fato de que Moser manteve diálogo com as fontes certas, não fugindo da pesquisa de campo - característica associada apenas aos jornalistas e repórteres - para colher tantos depoimentos relevantes.
Afora isso, nota-se, também, que Benjamin Moser, como biógrafo estrangeiro de uma escritora ucraniana radicada no Brasil, entendeu ser totalmente necessária a sua aclimatação nos territórios aos quais a escritora pertenceu. Com isso, em vez de apenas manter a conversa desinteressada com os locais, o autor se propôs a estudar os principais movimentos que desencadearam passagens importantes na vida de Clarice Lispector. O leitor conhece, com isso, as particularidades da cidade natal da escritora; dos pogroms; e do contexto político existente na década de 1910-20, período que antecede o nascimento de Clarice. De forma semelhante, ao tratar de seu período no Brasil, o biógrafo disseca com propriedade os meandros do país que queria se assentar como contemporâneo do mundo, das idas e vindas do governo Vargas e, muito antes disso, de como Pernambuco se constituiu como espaço importante para o desenvolvimento nacional, sobretudo no período do governo de Maurício de Nassau. Aqui, algum leitor brasileiro há de reclamar que, para o público informado, essas informações podem soar repetitivas. É preciso lembrar, todavia, que este é um livro que foi publicado primeiro fora do Brasil, onde poucos conhecem a realidade local.
Mais do que isso, o resgate histórico proposto por Benjamin Moser remete à necessidade de, simultaneamente, situar a biografada no tempo e no espaço, como resultado das tensões de sua época, e dar sentido às decisões e escolhas feitas em cada momento de sua trajetória. Posto de outra forma, é como se o autor dissesse que as condições históricas e culturais também foram elementares na formação do gênio de Clarice Lispector, detalhe que não necessariamente é recorrente nas diversas interpretações da obra da autora - o que existe, e o biógrafo comenta, é certo apelo ao "místico". A propósito, este parece ser um campo vasto para a exposição da sofisticação literária de Moser. E ele não escolhe um momento exato para isso, embora a biografia seja construída de forma linear. Em diversos momentos do texto, Moser resgata um trecho, articula com declarações concedidas em várias entrevistas e propõe uma reflexão sobre o significado de cada obra, como que um esboço interpretativo.
Em que pesem essas características de estilo e de método, o biógrafo não descarta suas convicções em relação à personagem que dá título a seu livro. A Clarice Lispector de Benjamin Moser lidou com seus conflitos a todo tempo, não deixando escapar nenhuma dessas complexidades. Assim, o fato de seus livros ainda parecerem algo misteriosos para boa parte dos leitores não deve reforçar o aspecto místico que ronda a personalidade da autora; antes, esse detalhe deve ser encarado como desafio para o alcance de uma abordagem mais densa e mais sofisticada acerca do significado da literatura. Em certa medida, foi dessa forma - resgatando sua identidade, interpretando sua trajetória literária; e indicando seus dilemas - que, diante da esfinge Clarice Lispector, Benjamin Moser não foi devorado.




(...)


Fonte: Rascunho

fevereiro 19, 2010

Sonhar



É o novo blog de Alanny, aquela do Entrelinhas - aliás a mocinha perdeu a senha.
Sim, ela fez este blog... E como já disse a ela: está se formando cronista!


Amar, desamar... Mas não deixar de tentar!







Hoje, quinta-feira, dia 18/02/10 às 19h12, eu aqui... Pensando nos sentimentos e no que eles podem nos trazer. Bleh! Como somos vuneráveis a eles... Como temos medo deles, não é mesmo? Sentimentos confusos, dolorosos, complexos, às vezes, inúteis.


É difícil falar de sentimento, cada um sabe o que sente de verdade. Sabemos que existe aquele pontinho vermelho com apenas uma função dentro de nós, justamente a que nos mantém vivos. Aquele que bombeia nosso sangue.. este que carrega o sentimento. O sentimento que corre em nossas veias. O amor, a paixão, o carinho, a felicidade, a amizade, a raiva, o ódio, a mágoa, a decepção, o sofrimento, o desamor... Dentre tantos outros que desconheço. Incrivelmente cada um deles tem um poder diferente sobre nós. Estremece todas as nossas bases, confundem todos os nossos pensamentos, todas as nossas ações. Choramos, sorrimos, sonhamos... E no fim? Ou melhor... Quando tem um fim? Mesma coisa. Choramos, sorrimos ou sonhamos...


O melhor de todos, para mim, é a amizade, isto é, quando é forte, verdadeira, sincera, única. Por cima de pau e pedra, juntos pro que der e vier. Conselhos, broncas, diversão, ih! É a melhor coisa.
 
 
Confira o resto no blog dela: Sonhar

fevereiro 17, 2010

Falar ou não falar? Sexo, eis a questão!

É, parece que peguei o hábito de colocar meus trabalhos de escola no meu blog.
Minha professora de Redação, Paulinha... Pediu para que procurássemos uma música que pudesse ser tema de uma crônica, adorei o fato de poder estudar crônica, porque faz um tempo que ando desligada deste gênero, pois estava investindo e ainda estou em contos... Mas fiz uma croniquinha - melhor assim do que cronicazinha, afinal estaria desvalorizando meu trabalhinho.

Certo, aqui está:

Sexo – Ultraje a Rigor (Rogério/ Maurício)
Sexo!



Sexo!



Como é que eu fico sem Sexo?



Eu quero Sexo! Me dá Sexo!







Hoje vai passar um filme na TV



Que eu já vi no cinema



Êpa! Mutilaram o filme



Cortaram uma cena...







E só porque



Aparecia uma coisa



Que todo mundo conhece



Se não conhece



Ainda vai conhecer



E não tem nada de mais



Se a gente nasceu



Com uma vontade



Que nunca se satisfaz



Verdadeiro perigo



Na mente dos boçais...







Corri pr'o quarto



Acendi a luz



Olhei no espelho



O meu tava lá



Ainda bem



Que eu não tô na TV



Senão ia ter que cortar...







Ui!



Sexo!



Como é que eu fico sem Sexo?



Eu quero Sexo! Me dá Sexo!



Sexo!



Como é que eu fico sem Sexo?



Eu quero Sexo! Vem cá Sexo!







Bom! Vá lá, vai ver



Que é pelas crianças



Mas quem essa besta pensa



Que é prá decidir?



Depois aprende por aí



Que nem eu aprendi...







Tão distorcido



Que é uma sorte eu não



Ser pervertido



Voltei prá sala



Vou ver o jornal



Quem sabe me deixam



Ver a situação geral



E é eleição, é inflação



Corrupção e como tem ladrão



E assassino e terrorista



E a guerra espacial



Socorro!...







Eu quero Sexo! Me dá Sexo!



Como é que eu fico sem Sexo?



Sexo!



Me dá Sexo! Me dá Sexo!



Eu quero Sexo!







Sexo! Eu quero Sexo!



Como é que eu fico sem Sexo?



Me dá Sexo! Me dá Sexo!



Eu quero Sexo!



Como é que eu fico sem Sexo?



Sexo!







Sexo! Eu quero Sexo!



Como é que eu fico sem Sexo?



Vem cá Sexo! Senta Sexo!



Vem cá Sexo! Me dá Sexo!



Solta Sexo!





Falar ou não falar? Sexo, ainda és a questão!





Ultraje a Rigor é uma banda que nasceu nos anos 80 a qual a censura perturbou bastante, afinal letras como Inútil e Sexo!! são bastante contundentes.
Sexo, deveras me chamou a atenção, afinal até hoje existe certo tabu com tal questão, mas poxa, sexo não é a “coisa que todo mundo conhece e se não conhece ainda vai conhecer”? Então por que há tanta máscara ao redor do sexo, sexualidade?
A resposta que vem de supetão à cabeça é: MEDO. Os pais têm medo de contar para os filhos e esclarecer; eu sei que deve ser mesmo difícil, mas se os pais não contarem, as crianças vão aprender de forma errada, desse jeito pode acontecer de haver problemas futuros, na música existe o trecho: Depois aprende por aí/Que nem eu aprendi.../Tão distorcido/Que é uma sorte eu não/Ser pervertido.
Uma coisa tão necessária à vida – mesmo após a inseminação, quem não quer fazer à moda antiga? –, a saúde... Tabu de mais... Isso não é legal, afinal como é que se fica sem sexo?
Quero ressaltar também a crítica que a música faz com relação ao contexto sócio-político: Quem sabe me deixam/Ver a situação geral/E é eleição, é inflação/Corrupção e como tem ladrão/E assassino e terrorista/E a guerra espacial/Socorro!... Eu penso quanto a este trecho: Cara, tem tanta coisa ruim no nosso País e olha só o que vão cortar: SEXO!! Pois então, cortar uma cena de sexo e não impedir a corrupção? Realmente, é para revoltar; impendem algo relacionado à vida de tantos animais e não impedem coisas extremamente piores, horríveis: corrupção, violência, inflação.
Esta é uma boa música para se pensar e refletir, né?


OUÇA A MÚSICA SEXO!!